domingo, 18 de julho de 2010

"As Novas Concepções sobre os Vikings", do Prof. Johnni Langer

Quero deixar pra vcs aqui o último capítulo da obra "Aspectos Básicos da História e Cultura dos Vikings" do Prof. Johnni Langer, que serve como desmistificação de alguns estereótipos sobre os Vikings e tal.

Com o passar do tempo temos descoberto inverdades sobre os chamados povos vikings, assim como temos criado novos conceitos, e tambem podemos estar criando novos equívocos, hehe. O fato é que vamos mudando nossa visão desses povos antigos, e a atual visão está muito bem representada pelo Johnni Langer, que é professor sobre o assunto.

Queria falar um pouco sobre o Prof. Johnni Langer, mas, infelizmente, optei por não o fazer para o post não ficar extremamente grande.

Mas... quem quiser conhecer melhor o autor do que tô postando aqui, só clicar aqui:
http://www.sobresites.com/vikings/bio.htm


Cap. 11: As novas concepções sobre os Vikings

Os guerreiros mais famosos da Idade Média foram os habitantes da Escandinávia, conhecidos atualmente como Vikings. Inúmeras canções, romances e filmes celebram seus feitos. Mas apesar dessa grande fama, a sua verdadeira cultura esconde-se atrás de muitas falsas idéias, de interpretações errôneas da História – os estereótipos:

1) O mais conhecido dos estereótipos relacionados aos Vikings, mas também atribuídos a outros bárbaros (como celtas e saxões), são os capacetes com chifres laterais.



Sabemos hoje pelos recentes estudos arqueológicos que os verdadeiros elmos de batalha de todos os povos da Europa pré-cristã e da Idade Média eram cônicos ou esféricos, lisos e sem nenhuma protuberância.



Até mesmo aquelas asas no capacete do personagem de quadrinhos Asterix são fantasiosas. Mas e como surgiram essas imagens equivocadas? Segundo nossas pesquisas, elas ocorreram em primeiro lugar na Inglaterra em 1830, espalhando-se depois com as manifestações artísticas da França e Alemanha. Neste último país, após a exibição da ópera O anel dos Nibelungos, de Richard Wagner (1870), o estereótipo tanto dos chifres quanto das asas foi tradicionalmente representado na pintura, escultura e literatura.



Acreditava-se que os adornos córneos simbolizariam o poder guerreiro, o poder masculino dessas antigas culturas. Somente no século XX é que a cultura erudita começou a associar essa imagem com maridos enganados pelas esposas... Logo veio o cinema e as histórias em quadrinhos, que trataram de popularizar ao máximo o estereótipo dos elmos cornudos.



Mesmo hoje em dia, podemos encontrá-lo em alguns manuais de ensino de História, ou sendo utilizados por alguns torcedores suecos em época de copa do mundo.



Mas o empenho de muitos pesquisadores tenta destruir essa imagem equivocada.


2) Outro famoso estereótipo associado aos nórdicos e bárbaros medievais, é a suposta utilização do crânio dos inimigos como copo para bebidas! Na realidade, esse estereótipo foi inventado muito antes do surgimento dos Vikings. No século V depois de Cristo, a Europa sofria os ataques dos Hunos, temidos guerreiros da Mongólia. Um cronista gótico desse período chamado Jordanis, acreditava que os Hunos não eram humanos, mas seres
bestiais que devoravam crianças e cometiam terríveis atrocidades. Ele foi um dos primeiros que descreveu essa prática cruenta: matar, decapitar e transformar as cabeças em recipientes para bebidas. Claro que foi apenas uma fantasia, pois inventar atrocidades e misticismos sobre os inimigos é um dos mais antigos ardis políticos. Como os Vikings também não eram bem vistos na Idade Média por atacarem mosteiros e templos cristãos,
nada mais óbvio que compará-los com seres demoníacos. Precisavam ser rebaixados à um nível de crueldade sem igual. Imediatamente surgiram representações de grandes banquetes e festas, nos qual os guerreiros escandinavos utilizariam o horrendo receptáculo para bebidas. Mesmo em nossos dias esse estereótipo ainda persiste, a exemplo da cena inicial do filme Escorpião Rei.


3) O terceiro estereótipo é relacionado com as vestimentas dos Vikings. Grande parte das obras artísticas do século XIX e de muitos filmes posteriores, representaram os bárbaros vestindo roupas feitas de pele de animais.



Algumas cenas, inclusive, idealizavam os nórdicos mais como homens pré-históricos do que guerreiros medievais, como a ilustração Chegada dos Normandos à França, de Guizot (1879). Verdadeiros trogloditas
cobertos com couro, alguns portando até clavas e porretes. Sabemos hoje que a maioria dos povos bárbaros não eram tão bárbaros assim. Aliás, esse termo originalmente designava os povos que não falavam grego, depois latim e finalmente, os que não professavam o cristianismo. Praticamente todos os bárbaros da Europa elaboravam suas roupas por meio da tecelagem de origem animal. Os Vikings fabricavam roupas a partir da lã de carneiros e ovelhas criados em fazendas. Primeiramente a lã era lavada, depois fiada, tecida e tingida.
A qualidade era tão boa que muitas vezes chegou a ser exportada. Os vestidos das mulheres eram muito sofisticados, decorados com excepcionais broches e fivelas de metal.
E porque representar os bárbaros vestindo peles de animais? Uma maneira eficiente
de criticar outra cultura é compará-la ao máximo com criaturas “inferiores”. Se sou membro de um povo dito civilizado, que segue regras de conduta de inspiração divina ou religiosa, então estou muito distante da esfera bestial. Trajando peles pesadas, morando em cavernas ou casas mal elaboradas, os Vikings seriam humanos mais próximos dos animais
do que das civilizações cristãs. É óbvio que o imaginário religioso vai associar aos povos pagãos (que não seguem a Bíblia), toda uma série de atitudes vistas como pecaminosas ou incorretas para uma sociedade considerada “civilizada”: incesto, canibalismo, sacrifícios de crianças. Então, se os Vikings são pagãos, necessariamente fazem tudo isso e é claro, vestem roupas grosseiras!


4) Outra imagem tipicamente associada aos antigos nórdicos são seus hábitos alimentares: comeriam somente carne crua, a qual arrancariam com os dentes. Mais uma vez, representações fantasiosas procurando caracterizar os Vikings como criaturas animalescas e brutais.



Mas a arqueologia moderna já descobriu muitos utensílios de cozinha, como cuias de madeira, tonéis, cestas de vime, panelas e todos os tipos de recipientes de cerâmica, demonstrando um sofisticado padrão de cozimento e preparo dos alimentos na cultura nórdica.
Mas os bárbaros teriam sido assim tão cruéis? É óbvio que os Vikings fizeram pilhagens, saques e massacres em diversas cidades européias. Mas nem todos os escandinavos eram piratas. Alguns foram mercenários, comerciantes, aventureiros e colonizadores pacíficos, outros dedicaram-se somente para a agricultura. No mundo nórdico, um guerreiro era tão respeitado quanto um poeta.
E o tema da violência na História
é algo que deve ser sempre visto com relatividade. Mesmo os povos cristãos da Idade Média cometerem atos que hoje consideramos terríveis, a exemplo das cruzadas no Oriente Médio, o uso da inquisição pela Igreja ou as guerras religiosas. Para os árabes, os bárbaros eram os europeus que participavam das cruzadas, pelos atos horripilantes que executaram perante as populações orientais.
Uma característica que desmente a fama de crueldade extrema dos Vikings é a sua índole para o humor. Apelidos era muito comuns, mas alguns enfatizavam traços opostos à realidade física da pessoa, como Thorald o magro, que na realidade era bem gordo, ou Harald o loiro, para um homem com cabelo escuro. A morte era um momento para celebração e alegria, bem ao contrário do que nossa civilização preconiza. Mesmo quando um homem era condenado à morte, o sorriso o acompanhava até o cadafalso.


5) E o último dos estereótipos é relacionado a uma suposta força sobre-humana dos escandinavos – pois estes, mesmo para o imaginário popular contemporâneo, teriam sido homens gigantescos e com grande estrutura muscular.


Frank Frazetta

Vários filmes enfatizam erroneamente que a espada Viking não poderia ser manejada por outros guerreiros, devido ao seu enorme peso.
É certo que o equipamento nórdico não era mais sofisticado que o da
Europa medieval, e o que causou impacto foram mais as técnicas de guerra adotadas: ataques relâmpagos e utilização de machados e espadas para serem manejadas por somente uma das mãos. Quanto à constituição física, o exame de esqueletos determinou que o
tamanho médio dos dinamarqueses, noruegueses e islandeses era de 1,70 metros – uma altura igual ao dos outros europeus. Somente os suecos tinham um tamanho mais elevado.
O que ocasionou maior diferença no momento das batalhas foi a saúde muito superior dos escandinavos em relação ao restante do continente, devido à uma alimentação mais equilibrada e rica em proteínas.
Novos estudos historiográficos e descobertas arqueológicas estão revelando muitos detalhes sobre o modo de vida, o pensamento e a riqueza cultural dos Vikings. Contribuirão para que desapareçam os diversos estereótipos que foram elaborados desde o momento em que os nórdicos surgiram perante o Ocidente e definitivamente deixaram suas marcas, imaginárias e reais.

Prof. Johnnni Langer



Quem ainda não conhece o site sobresites, é uma boa pedida.

E pra conhecer o trabalho do prof. lá:
http://www.sobresites.com/vikings/


É isso aí.

=)

6 comentários:

Morgana disse...

ah nem...eu achava tão legal os chifrinhos e tudo o mais.. os caras só tinham 1,70m!!! absurdo, absurdo! pra mim acabou, não gosto mais deles...povo tão..normal. =(

Fábio disse...

kkkkkkkkkkk nem fala. Foi um post decepcionante tambem. Mas em parte faço coro com o Langer, em parte ainda tenho minas dúvidas... =P

sylvia disse...

Eu AMO a cultura viking ( q p mim e mais um ideal de vida )e saber mais um pouco sobre eles e maravilhoso, mesmo que os caras não fossem tão altos assim queria ter conhecido um.

Simara **(Plantão da beleza)** disse...

oi amei seu blog to te seguindo visita o meu e se vc gostar me segue tambem beijão simara

AL Duarte disse...

Pois é cara... Essa história dos elmos com chifres eu fragava. Numa série de livros que eu estou lendo, o autor mesmo falava que não havia esse tipo de elmo, ainda mais porque as batalhas eram feitas segundo "paredes de escudos" onde vc ficava cara a cara com seu inimigo. Se o cara usava um elmo desses, os chifres iriam ser muito úteis pros inimigos o segurarem e o derrubarem no chão, então era apenas um mito, ainda que eu particularmente acredite que elmos com chifres deviam ser usados apenas em rituais ou comemorações, mas nunca em batalhas, senão todo esse estereótipo não teria sentido.

Jacques disse...

Sem dúvida, a cultura viking na atualidade está repleta de estereótipos que se tornam sem sentido se você pensar um pouco a respeito.
Valeu.