sábado, 9 de agosto de 2008

Celacantos




Esse peixinho pequetito e bonitinho aí teve origem por volta de 360 MILHÕES de anos atrás, o que significa que foi no final do Devoniano (muitos peixes com mandíbula e alguns com nadadeiras lobuladas-carnosas) e inicinho do período Carbonífero (da era Paleozóica pertencente ao Éon Fanerozóico). Ou seja: ainda nem havia rastros dos dinossauros. Estimáva-se que eram abundantes há 240 milhões de anos e que haviam sido extintos há cerca de 65 milhões, junto com nossos amigos dinos, no final do Cretácio (já na Era Mesozóica).

Até que...



em 1938 em pescador se depara com ele, no oceano Índico, perto da extremidade sudeste da África, numa profundidade de 50m. Foi morto e examinado. Se tratava, sem dúvida, de um celacanto, um fóssil vivo. Depois disso, várias dezenas foram achadas na região das ilhas Comores, distante dez mil quilômetros da Indonésia. São da espécie Latimeria chalumnae. Um deles foi capturado no Canal de Moçambique, com 100 quilos e com 26 embriões. Dois estiveram em exibição no pavilhão de Moçambique, na Expo-98, mas desapareceram misteriosamente.


Em 98 encontraram uma nova espécie de celacanto: Latimeria menadoensis, na Indonésia.

A característica dos celacantos mais importante: presença de barbatanas pares cujas bases são PEDÚNCULOS que se assemelham aos membros dos vertebrados e se movem da mesma maneira.


As suas barbatanas, esqueleto e grandes escamas sofreram poucas alterações em relação aos seus antepassados, conhecidos através de fósseis. Ao contrário da maioria dos peixes, que se reproduzem rapidamente e que têm gerações curtas, o celacanto reproduz-se muito lentamente, tem fecundação interna, além de viver uma longa vida (cerca de 60 anos). Esta característica pode explicar que, ao longo desses milhões de anos, o celacanto teve gerações de descendentes em menor número pra poder acumular mutações. Além disso, celacantos podem baixar seu metabolismo a qualquer hora, fazendo um tipo rápido de hibernação. Isso pode também explicar como conseguiu sobreviver depois de TANTAS extinções em massa que ocorreram por variações climáticas e outros, durantes esses milhões de anos.

Os celacantos antes conhecidos eram beeem menores, cerca de 40 cm. Mas ao que parece, foi o tamanho que mais mudou mesmo.


Antes da descoberta de um exemplar vivo, acreditava-se que o celacanto era um parente próximo do primeiro vertebrado a sair das águas, dando origem a um novo grupo de vertebrados conhecidos como tetrápodes, que inclui os humanos, afinal é um peixe com perninhas! rs No entanto, estudos recentes não apontam mais este tipo de relação:
classe: sarcopterygii- possuem nadadeiras pares lobuladas, sustentadas por um eixo central, carnoso e ósseo. São considerados representantes dos antepassados dos anfíbios pela classe englobar dois grupos: os coelacanthiformes  e os Choanata que engloba as piramboias e, aí sim, TETRAPODA!

7 comentários:

Steve Ballmer disse...

nice blog dude

. disse...

Parabens, querida, belo post. Com bastantes detalhes, e com fontes serias e tal. Mto bom mesmo.
É o que falei no meu post. As pessoas tem o direito de saber dessas coisas.
E...celacantos podem baixar seu metabolismo a qualquer hora, fazendo um tipo rápido de hibernação. Isso pode também explicar como conseguiu sobreviver depois de TANTAS extinções em massa que ocorreram por variações climáticas e outros, durantes esses milhões de anos.
Cruzes!!!! É um X-Man o peixe, hahaha.
Belo post, aguardo os proximos... =)

Larissa disse...

Legal :D
Tirando esses nomes em latim, detesto essas coisas u.u
De qualquer forma, celacantos me parecem legais eyhieuheuhoieuhoie

Marina disse...

Depois de ler essa 'bizarrice' td ai eu soh tenho uma coisa a declarar! Ainda bem que meu negócio é química!!!!
Muito complexo essa coisa de evolução pelo amor de deus!

Glauber Ataide disse...

Wow! Muito legal, Morgana! Interessantíssimo esse post. Mas só uma dúvida: até onde minha ignorância no assunto me permite palpitar, o evolucionismo postula que o homem e o macaco tiveram um ancestral comum, e não que um descende do outro. Seria isso mesmo? Só uma dúvida, master.

Anônimo disse...

Só tem um problema: Celacantos vivem nas profundezas. eles não gostam muito de subir, não...

Talita de Lania disse...

Muito bom o post!!
Realmente extraordinários os Celacantos...espero que achem mais "fósseis vivos", pq acho todos impressionantes.